O chute inicial para a integração da Conferência Centro-Oeste na Liga Nacional de Handebol foi dado nesta terça-feira (30) em Goiânia (GO). Representantes dos clubes que vão disputar os campeonatos masculino e feminino estiveram em reunião para discutir detalhes como calendário e forma de disputa.

Desde o ano passado, a Liga Nacional passou a contar com um novo formato, que tem como objetivo dar chance a times de todo o País de disputarem a principal competição da modalidade. Em 2016, foram criadas três Conferências, Norte, Nordeste e Sul/Sudeste, sendo que os classificados em cada uma delas se cruzaram a partir das quartas de final. Apesar de ter sido uma experiência, o primeiro ano do projeto foi muito bem aceito por equipes do Brasil todo e, neste ano, a região Centro-Oeste será agregada como mais uma Conferência.

De acordo com o diretor técnico da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), Digenal Cerqueira, a configuração da região Centro-Oeste será parecida com a do Norte, já que cada Conferência respeita as particularidades de cada local, levando em conta custos, deslocamento e outros fatores.

“A reunião foi bastante proveitosa. Tivemos a participação maciça dos clubes de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Estiveram também os presidentes das Federações, da Secretaria Estadual de Esporte de Goiás para que pudéssemos definir tudo sobre a competição. Ela terá um formato novo, baseado nas distâncias que nós temos na região. Será feito nos moldes da Conferência Norte, que foi sintetizada em um período só em uma única sede”, contou.

A Conferência Centro-Oeste terá a participação de oito equipes no masculino e oito no feminino. “No dia 13 de junho, será o limite para o envio dos documentos, inclusive com pedido de sede. É possível que a competição masculina e a feminina sejam realizadas em Goiás, na mesma cidade e no mesmo período, provavelmente em Anápolis. A previsão é que seja no início de agosto”, adiantou.

“Para nós, foi muito gratificante. Tudo foi discutido e colocado em votação. Na reunião, buscamos o amadurecimento do esporte e não o facilitador individual para cada equipe. Tenho certeza de que a Conferência Centro-Oeste terá uma participação muito organizada e competitiva, o que vai abrilhantar a Liga Nacional”, acrescentou Digenal.

O presidente da Federação de Goiás, Junio Augusto de Souza, destacou a empolgação geral que a participação no campeonato tem causado na região. “Um ponto positivo é que, na Conferência, todos os estados estarão representados nos dois naipes. Acho isso bem louvável pela questão das dificuldades pela distância. Antes mesmo de acabar o campeonato do ano passado, as equipes goianas já estavam se preparando. Trindade foi formada pensando nessa competição, Rio Verde também retornou por isso. Os atletas perguntam o tempo todo. A motivação vem de técnicos e atletas e acredito que nos outros lugares também seja assim. Esse novo projeto será espetacular para o desenvolvimento do handebol na região.”

Lilian Queiroz Antonio, presidente da Associação Cultural e Esportiva Força Atlética, afirmou que será uma oportunidade importante para o desenvolvimento do handebol. “Tivemos a Copa Centro-Oeste no ano passado e fomos campeões. Essas fases regionalizadas da Liga são fundamentais para o crescimento da modalidade no país. Com certeza, esse projeto vai contribuir muito para que haja mais equipes, mais atletas profissionais e para melhorar o nível técnico. Teremos uma liga envolvendo todos ou quase todos os estados do país. E, com certeza, isso atrairá novos patrocinadores tanto para a Confederação quanto para os clubes e mais atletas interessados em praticar a modalidade”, encerrou.

Anúncios