303661_674390_image_web_

Oswaldo Guimarães, armador direito (S Pillaud/France Handball 2017)

O Brasil disputou mais um jogo bastante difícil no Mundial Masculino de Handebol nesta terça-feira (17), em Nantes, na França. A Noruega, uma das escolas mais tradicionais da modalidade, impôs um duelo duro, com uma defesa eficiente, que neutralizou o ataque brasileiro.

Ao mesmo tempo, o paredão da Seleção, desfalcado do armador Thiagus Petrus, não funcionou. O placar bem aberto já no final do primeiro tempo (13 a 18), foi ainda ampliado na segunda parte (26 a 39), deixando a equipe extremamente descontente com o desempenho no final.

Esse foi o penúltimo jogo da fase classificatória para a Seleção. O Brasil já conquistou vaga para as oitavas de final, mas dependia de um bom resultado para garantir uma melhor posição no grupo e fazer, em teoria, um cruzamento mais tranquilo na próxima fase. Na quinta-feira (19), enfrenta a Rússia, às 11h (horário de Brasília), para definir se fica em terceiro ou quarto lugar no grupo A, que cruza com a chave B nas eliminatórias.

O Brasil teve um bom início, com duas importantes defesas de Maik Santos. Jogou em equilíbrio nos primeiros minutos, mas após dois contra-ataques falhos, a Noruega conseguiu passar à frente e abriu três gols. A defesa sofreu muito com a ausência do armador e capitão Thiagus Petrus, que, com uma lesão na coxa, teve que deixar a competição. Os problemas no contra-ataque permaneceram para o lado brasileiro, complicando a vida da Seleção. Enquanto isso, a Noruega manteve a consistência e os três gols à frente. Ainda no final do primeiro tempo, o Brasil acabou cedendo mais dois gols e terminou a etapa com cinco de desvantagem.

Na segunda parte, a Noruega conseguiu abrir mais dois logo no início. O Brasil soube manter a calma e conseguiu diminuir para cinco gols novamente, porém, depois não se acertou em nenhum dos fundamentos. Sofreu novamente com ataques perdidos e permitiu que o adversário continuasse no domínio da partida até o fim, aproveitando-se de cada retorno defensivo.

A unanimidade entre comissão técnica e jogadores é que a transição defensiva não funcionou no jogo contra a Noruega. Um aspecto muito importante na tática idealizada pelo Brasil acabou fazendo com que o adversário tivesse vida mais fácil. “Tivemos um primeiro tempo com dificuldades na transição defensiva, mas conseguimos ajustar ainda na primeira parte. No final da partida, tínhamos dois gols e fomos a cinco gols, isso foi uma parcial ruim, que a equipe não conseguiu recuperar e se manter equilibrada na sequência. A Noruega fez um excelente jogo ofensivo. Tivemos dificuldade para marcá-los”, destacou o técnico Washington Nunes.

Para o pivô Alexandro Pozzer, o Tchê, artilheiro do Brasil ao lado de Fábio Chiuffa, com seis gols, a equipe precisa corrigir muitas coisas para enfrentar a Rússia na próxima rodada. “O jogo foi complicado hoje. Tomamos muitos gols de transição de contra-ataque. No ataque posicional conseguimos jogar bem, mas não conseguimos defender bem. Sofremos vários gols do pivô. Temos que melhorar isso para o jogo contra a Rússia, correr e nos entregar mais para suprir a falta do Thiagus. Nossa defesa vai precisar estar mais unida para conseguir ganhar da Rússia”, encerrou.

Jogos do grupo A
Horário de Brasília

Quarta-feira (11)
França 31 x 16 Brasil

Quinta-feira (12)
Rússia 39 x 29 Japão
Polônia 20 x 22 Noruega

Sexta-feira (13)
Japão 19 x 31 França

Sábado (14)
Brasil 28 x 24 Polônia
Noruega 28 x 24 Rússia

Domingo (15)
França 31 x 28 Noruega
Brasil 27 x 24 Japão

Segunda-feira (16)
Polônia 20 x 24 Rússia

Terça-feira (17)
Noruega 39 x 26 Brasil
14h45 – Polônia x Japão
16h45 – Rússia x França

Quinta-feira (19)
11h – Rússia x Brasil
14h45 – França x Polônia
16h45 – Japão x Noruega

Anúncios