303465_673665_image_web_

José Guilherme é o ‘espião’ brasileiro contra a Polônia (Ju Crosnier/France Handball2017)

A Seleção Masculina de Handebol parte para o segundo desafio do Mundial da França, neste sábado (14). Depois de uma estreia negativa contra os pentacampeões e donos da casa, em Paris, a equipe tem agora a meta de bater a Polônia para somar os primeiros pontos no grupo A.

O confronto, que tem como palco o Parc des Expositions, em Nantes, está marcado para às 11h45 (horário de Brasília) e é extremamente importante para o Brasil na caminhada pela classificação. Os canais SporTV 2 e ESPN farão a transmissão.

Na história recente da Seleção, as duas equipes se encontraram três vezes, duas delas com vitória brasileira, sendo que a última foi nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O objetivo agora é colocar em prática tudo o que deu certo em solo carioca para vencer os poloneses e esquecer o primeiro confronto do Mundial, que terminou com uma grande diferença no placar para os franceses.

A equipe fez bem a lição de casa e estudou os pontos fortes e fracos do adversário. “Nas duas ocasiões que vencemos, a primeira em um torneio na Polônia e a segunda no Rio de Janeiro, nossa equipe teve um trabalho defensivo muito bom, com o nosso tradicional sistema 5×1. Acreditamos que eles tenham dificuldade novamente para enfrentar esse tipo de defesa. O nosso jogo de transição se encaixa bem. Vimos que eles trouxeram um goleiro diferente, bastante grande. Por isso, precisamos tomar cuidado na finalização. Se conseguirmos equilibrar essas ações, vamos conseguir nos sair bem. A equipe está preparada. O jogo de abertura foi duro e tínhamos consciência que seria assim, mas daqui para frente temos boas chances e acho que faremos um bom trabalho amanhã”, explicou o técnico Washington Nunes.

Um dos pontos a serem analisados é que os poloneses sofreram várias alterações no elenco depois das Olimpíadas, seja por lesões ou pela renovação natural do time. “Alguns atletas pararam de jogar pela Seleção da Polônia e também têm vários machucados. Eles acabaram fazendo uma renovação forçada e trouxeram jogadores mais jovens. Isso é bom porque também temos um time jovem, o que deixa o jogo mais igualado”, acrescentou o treinador.

O armador direito José Guilherme de Toledo conhece bem os oponentes de amanhã, pois defende a camisa do clube polonês Orlen Wisla Plock, que conta com vários atletas da Seleção. O atleta destaca que mesmo com a recente renovação, eles têm um jogo coletivo forte. “Para repetirmos a vitória contra a Polônia precisamos de energia, temos que estar concentrados e unidos. Cada um tem uma função em quadra e todos têm que fazer esse papel em benefício do time. Conheço praticamente todos os jogadores da Polônia, muitos estão na minha equipe. É um time bastante físico e renovado, mas que está jogando bem. Eles fazem algumas coisas simples, mas que funcionam. Com a ausência dos que saíram, talvez a técnica tenha caído um pouco, mas o coletivo se funcionar é bom. Temos que acertar nossa defesa e ter paciência no ataque”, receitou.

Assim como o Brasil, a Polônia deixou a quadra na estreia com um resultado negativo diante da Noruega, apesar de fazer uma partida bastante equilibrada. Os brasileiros estiveram no ginásio para conferir de perto e tirar lições para o confronto de amanhã. O ponta direita Lucas Cândido também espera um jogo difícil. “Ontem vimos o jogo entre Polônia e Noruega. Tem alguns nomes novos, mas apesar disso, continua uma equipe muito forte. O positivo é que nosso sistema defensivo sempre vai bem contra o ataque deles. Como vencemos nas últimas vezes que nos encontramos, acredito que eles entrarão bem motivados por isso”, contou. “Nós precisamos da vitória. Nossa estreia não foi boa, mas já é passado. Hoje treinamos e amanhã temos que colocar tudo em prática”, acrescentou Lucas.

Após o duelo com a Polônia, o Brasil tem outro jogo na sequência, já no domingo (15). Às 17h45 (horário de Brasília), a equipe enfrenta o Japão, que hoje sofreu uma derrota para a França. Na terça-feira (17), será a vez de encarar a Noruega, às 11h, e na quarta-feira (18), os adversários serão os russos, no mesmo horário.

Jogos do grupo A
Horário de Brasília

Quarta-feira (11)
França 31 x 16 Brasil

Quinta-feira (12)
Rússia 39 x 29 Japão
Polônia 20 x 22 Noruega

Sexta-feira (13)
Japão 19 x 31 França

Sábado (14)
11h45 – Brasil x Polônia
14h45 – Noruega x Rússia

Domingo (15)
14h45 – França x Noruega
17h45 – Brasil x Japão

Segunda-feira (16)
17h45 – Polônia x Rússia

Terça-feira (17)
11h – Noruega x Brasil
14h45 – Polônia x Japão
16h45 – Rússia x França

Quinta-feira (19)
11h – Rússia x Brasil
14h45 – França x Polônia
16h45 – Japão x Noruega

Anúncios