15894264_1321313581265539_8266822825165103325_nO calendário esportivo oficial da Seleção Masculina de Handebol em 2017 começa simplesmente com a maior competição do período, o Mundial da França, a partir de 11 de janeiro.

Porém, a rotina de trabalho do grupo tem início bem antes dessa data, praticamente assim que 2016 for embora. Nesta segunda feira, o técnico Washington Nunes e a comissão técnica embarcaram com os 16 convocados para uma fase de treinamento e um torneio na Suíça, com a presença de três Seleções europeias. Tudo para deixar a equipe 100% antes da estreia, que será contra ninguém menos que os franceses, super campeões da modalidade, em Paris.

O torneio na Suíça será disputado com a Seleção da casa, a Eslováquia e a Romênia, e deve ser um momento importante para desafiar a equipe diante de adversários fortes, antes de encarar os franceses em casa. “Dia 2 de janeiro nos apresentamos para uma viagem à Suíça. Vamos treinar lá e depois ter um torneio contra Eslováquia, Romênia e, claro, Suíça. Todas são equipes que estão muito bem no Campeonato Europeu e estão jogando em alto nível como todo mundo”, assegurou o treinador. “Jogamos lá até dia 8 de janeiro, e dia 9 viajamos para a França. Treinamos dia 10, e dia 11 já jogamos contra os franceses”, completou.

Washington lembra que a preparação não é de apenas uma semana, mas sim de quatro anos, já que o mesmo grupo vem jogando junto nesse período todo. “A última fase que tivemos com a equipe completa foi o Quatro Nações, com todos trabalhando juntos. Isso foi muito bom. Logo depois, tivemos a fase em São Bernardo, com alguns dos convocados e um grupo mais jovem”, disse o treinador, lembrando que muitos não puderam estar nesse período, por conta do calendário de jogos dos clubes em que atuam.

Na escolha dos 16 atletas que irão representar o País no Mundial, o técnico optou por manter a base que disputou os Jogos Olímpicos do Rio e, acrescentou algumas caras novas, que segundo ele são jovens muito promissores. “Nossa expectativa é a melhor possível. Saímos muito bem dos Jogos Olímpicos. Temos pretensão de chegar novamente às oitavas de final e passar por esse obstáculo. Nos últimos dois Mundiais conseguimos ir para as oitavas, então, temos que pensar para a frente. A chave é muito dura, mas vemos possibilidade de dar continuidade, inclusive depois dos cruzamentos”, projetou Washington.

Anúncios