Da Assessoria de Imprensa da CBHb

Quando a Seleção Feminina de Handebol entrar em quadra nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, não será somente o coração das 14 atletas que irá bater mais forte por representar o País dentro de casa. O técnico Morten Soubak, mesmo sendo dinamarquês, se sente tão brasileiro quanto as próprias jogadoras. Declaradamente apaixonado pelo Brasil, o treinador diz que está muito emocionado em disputar a competição ‘em casa’ e mais uma vez ressalta que a equipe irá fazer de tudo para brigar pela medalha olímpica inédita na modalidade.

184862_301832_morten

Morten Soubak, técnico da Seleção Feminina

Morten se mudou definitivamente para o Brasil em 2005 e já tem um longo ‘caso de amor’ com o País e com o povo. “Eu acho que já virei brasileiro faz tempo. Eu adoro o povo daqui. Tenho certeza que a torcida virá para somar, não só quem estará no ginásio, mas também quem estiver em frente à televisão, sei que vai vibrar e mandar toda a força possível para as meninas fazerem o melhor durante os Jogos. Eu não duvido um segundo disso”, declarou o treinador.

Nascido em Fodby, na Dinamarca, após experiência com categorias de base e adultas de clubes e do comando da Seleção Juvenil masculina de sua terra natal, Morten veio para o Brasil, onde treinou por quatro anos a equipe masculina do Pinheiros (SP), conquistando vários títulos internacionais, antes já havia tido uma experiência com a equipe de Osasco (SP). Em 2009 foi convidado pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) para assumir a Seleção Feminina, após a saída do espanhol Juan Oliver. A equipe, que já vinha em desenvolvimento, seguiu em crescimento até chegar ao título mundial de 2013, maior conquista do País na modalidade.

Todos os feitos da Seleção ao longo dos últimos anos fizeram com que o handebol ganhasse cada vez mais espaço na mídia e no coração do público. É exatamente isso que Morten espera que aconteça ainda mais após os Jogos do Rio. “Todos nós que representamos qualquer modalidade temos esperança de que ela possa decolar após os Jogos do Rio. Que ganhe cada vez mais atenção e espaço e que o público acompanhe cada vez mais. Acho que esse é um sonho de todos nós que trabalhamos com esportes olímpicos”, frisou.

215435_381310_ale_e_morten

Alexandra Nascimento e o técnico Morten Soubak

Para ele, além do handebol, muitas modalidades serão bem representadas e irão mostrar o trabalho e a qualidade dos atletas nacionais. “É indiscutível o potencial que o Brasil tem de atletas de alto rendimento. É imenso. Em várias modalidade”, apontou Morten.

E, se depender de foco e vontade, a Seleção Feminina terá mesmo um grande resultado no Rio, segundo o treinador. “Garanto que vamos brigar e fazer o que for possível para conquistar a primeira medalha olímpica do handebol do Brasil. Será extremamente difícil, é fato. É a primeira Olimpíada da história do handebol feminino com tantas equipes capazes de ganhar uma medalha, mas faremos de tudo por ela”, finalizou Morten.

Anúncios