img_2557

Duda Amorim com o troféu de Melhor Atleta do Mundo na temporada 2014/2015 (Foto: Thierry Gozzer)

Eleita a melhor jogadora do mundo em 2014, a brasileira Duda Amorim recebeu o troféu no domingo, no intervalo da final entre Holanda e Noruega, vencida pelas norueguesas por 31 a 23.

Em entrevista após a premiação, a armadora brasileira comentou a polêmica e troca de farpas entre o técnico da Seleção Brasileira Feminina, o dinamarquês Morten Soubak, e o presidente da Confederação Brasileira de Handebol, Manoel de Oliveira.

Morten Soubak deu declarações pouco antes do Mundial disputado em dezembro reclamando da estrutura do handebol brasileiro e disse que não se compara com a europeia. O presidente da CBHb rebateu de forma dura, a chegou a cogitar a dispensa do treinador.

Duda Amorim comentou de forma sincera: “Eu me desliguei, não ouvi o que ele falou exatamente. Se falou que a situação está ruim, falou a verdade. Se atacou a seleção, não sei. Mas se ele falou da situação, é uma verdade. A gente não precisa se magoar por isso. É a nossa realidade. Talvez a presidência levou como um ataque, mas a verdade é que o handebol brasileiro não evoluiu. A nossa liga não é boa. Eu não ouvi todas as entrevistas”, disse ao site Globoesporte.com

Sobre a continuidade do ciclo Olímpico, Duda afirmou que a falta de unidade entre o cartola e o treinador não deve atrapalhar o foco da Seleção Feminina. “Nada abala a gente. O Morten também é muito profissional e vai deixar fora se precisar. Mas acho que é nervoso depois de um Mundial, com uma colocação ruim. Vai passar e vamos focar apenas na medalha que nos falta e é o grande objetivo desse grupo desde os Jogos de Londres”.

Informações do Globoesporte.com

 

 

 

Anúncios