(Foto: Wander Roberto/Photo&Grafia)

(Foto: Wander Roberto/Photo&Grafia)

O Brasil ficou com o décimo lugar do Mundial Júnior de Handebol, após ser superado pelo Qatar na disputa de sete metros. Em um jogo eletrizante do começo ao fim, a Seleção mostrou que não desiste fácil e fez o gol que levou a partida para as penalidades em uma cobrança de sete metros com o cronômetros já cravados nos 30 minutos.

O primeiro tempo de Brasil e Qatar foi equilibrado, mas quase sempre com os asiáticos em vantagem por conta das defesas de Rasheed Yusuff. A válvula de escape da Seleção Brasileira era a ponta direita com Rudolph Hackbarth, goleador do jogo com 11 gols, que aproveitou as oportunidades para ajudar o time a deixar o marcador igualado no fim do primeiro tempo.

Rudolph foi o artilheiro da partida (Foto; Wander Roberto/Photo&Grafia)

Rudolph foi o artilheiro da partida (Foto; Wander Roberto/Photo&Grafia)

Na segunda etapa, o Brasil voltou melhor na defesa, mas o equilíbrio da partida não mudou. As seleções continuaram brigando gol a gol pela vantagem. Faltando 30 segundos para o fim do jogo, o Qatar fez 31 a 30, mas o Brasil empatou com Leonardo Santos. A quatro segundos do final, Abdelramhman Abdalla foi do céu ao inferno. Ele marcou um gol para o Qatar, mas interrompeu a saída de bola rápida do Brasil, o que resultou em um sete metros. Rudolph converteu a cobrança, deixou tudo igual no final do segundo tempo e encaminhou a partida para a disputa de sete metros.

Nas cobranças, o Qatar fez quatro gols e o goleiro Rangel Rosa pegou outro. Porém, quem brilhou foi o goleiro Yusuff. Ele defendeu duas cobranças brasileiras e deu o nono lugar do Mundial Júnior para o Qatar.

Yusuff, goleiro do Qatar, brilhou nos sete metros (Foto: Eugênio Sávio)

Yusuff, goleiro do Qatar, brilhou nos sete metros (Foto: Eugênio Sávio)

“Foi um jogo muito equilibrado. A nossa defesa 6-0 funcionou, o ataque foi bem, mas faltou um pouco de atenção para vencermos. O esporte é assim. Alguém tem que vencer. Dessa vez foram eles”, disse o armador Leonardo Santos.

Já o técnico Hélio Lisboa Justino avaliou positivamente a participação do Brasil no Mundial. “Acho que fizemos um bom campeonato. Mostramos nosso potencial e jogamos de igual para igual com todo mundo. Empatamos com a atual campeã europeia, que é a Alemanha. Já houve uma evolução e agora vamos melhorar ainda mais com nove jogadores desse grupo indo para Europa”, declarou o treinador.

Argentina e Portugal fizeram partida equilibrada desde o apito inicial. Apesar das equipes não estarem mostrando a mesma disposição que marcaram a participação deles no campeonato, o jogo foi bom. Tecnicamente parecidas, a Argentina levou a vantagem do goleiro Tomas Villarroel estar mais uma vez inspirado, enquanto o adversário João Moniz não estava nos melhores dias. Com esse panorama, os argentinos venceram pelo placar de 30 a 26 (13 a 11 no primeiro tempo). O artilheiro do duelo foi o português Miguel Martins, com dez gols. O resultado deu aos argentinos o 13º lugar.

Argentina venceu Portugal (Foto: Eugênio Sávio)

Argentina venceu Portugal (Foto: Eugênio Sávio)

A Coreia do Sul ficou com o 11° lugar da competição, depois de impor um jogo rápido para cima da Tunísia na decisão por posições. Os coreanos começaram a partida na frente e impuseram um ritmo forte com vários ataques pelas pontas. A Tunísia não ficou atrás no desempenho e esteve próxima em vários momentos, mas os orientais mantiveram o jogo rápido até definir o placar em 29 a 26 (17 a 12).

Coreia ficou com a 11ª posição  (Foto: Yuri Edmundo)

Coreia ficou com a 11ª posição (Foto: Yuri Edmundo)

Pela decisão do 15° lugar, a Noruega garantiu a vitória sobre a Rússia e garantiu a posição. Os noruegueses entraram muito bem no jogo e, apesar da forte defesa russa trabalhar muito bem, conseguiram encontrar espaço e aproveitar os contra-ataques.

Noruega ficou em 15° lugar (Foto: Alexandre Motta)

Noruega ficou em 15° lugar (Foto: Alexandre Motta)

Anúncios