Eduarda Amorim

Eduarda Amorim

Da Assessoria da CBHb

O dia 25 de fevereiro de 2015 ficará para sempre na memória da armadora esquerda Eduarda Amorim e na história do handebol brasileiro. A jogadora foi eleita a melhor atleta do Mundo no ano de 2014 em eleição promovida pela Federação Internacional da modalidade, o prêmio máximo que um atleta do esporte pode receber.

Esta é a segunda vez que o Brasil aparece no topo da premiação. Em 2012, a ponta direita Alexandra Nascimento faturou o prêmio.

A eleição teve duas fases. Na primeira, um júri composto por experts e técnicos das cinco Seleções melhores colocadas no Mundial de 2013 indicou cinco atletas que concorreram em votação aberta para o público e a imprensa no site da entidade.

A atleta da Seleção Brasileira e do Gyor Audi ETO, da Hungria, ficou com 35,2% dos votos. As adversárias eram todas europeias. Na segunda colocação ficou a romena Cristina Neagu, com 25,8%, e a terceira a norueguesa Heide Loke, com 16,8%. Além delas, também concorreram a sueca Isabelle Gulldén e a espanhola Marta Mangue.

Quando recebeu a notícia nesta quarta-feira (25), Duda ficou muito emocionada e quis imediatamente contar a novidade ao marido Dean Taleski, que está com ela em São Paulo (SP) para o tratamento da lesão no joelho sofrida pela atleta no ano passado.

Duda em entrevista coletiva realizada na tarde da última quarta-feira

Duda em entrevista coletiva realizada na tarde da última quarta-feira

“É muito gostoso receber esse prêmio. Me sinto extremamente realizada. Desde que comecei minha carreira, sempre quis ser a melhor armadora esquerda e trabalhei muito para isso, mas a melhor do Mundo é algo que nunca sonhei”, confessou, sem conseguir conter o sorriso.
Duda se sentiu também muito querida, afinal, durante a semana passada, período em que a votação estava aberta, a campanha no Brasil em redes sociais foi enorme, além da repercussão na imprensa. “Fico muito grata pelo apoio que o público brasileiro me deu durante esses dias. Foi uma mobilização geral. Fico muito feliz por ver o reconhecimento pelo meu trabalho”, acrescentou a atleta natural de Blumenau (SC).

Sobre a importância da premiação individual para o handebol brasileiro como um todo, Duda não nega que o prestígio aumenta cada vez mais. “Esse é mais um passo. A Alexandra já conquistou o título primeiro. É uma excelente jogadora. Acho que com isso, nós acabamos servindo um pouco de exemplo. Abre caminho pro esporte ser ainda mais popular no País. Traz muita coisa positiva. O handebol brasileiro está se fortificando cada vez mais lá fora. Isso ajuda, traz mais respeito. Antes, muitas equipes nos subestimavam. Agora não. Isso é muito bom porque temos muito mais jogos de nível e as atletas brasileiras também ganham com isso”, comentou.

Receber o prêmio pela segunda vez, é algo com importância imensurável para o handebol brasileiro, conforme afirma o presidente da Confederação Brasileira de Handebol, Manoel Luiz Oliveira. “Essa premiação significa muito para o handebol no Brasil. Vem para coroar mais uma vez uma fase muito próspera para o nosso esporte. A Duda é uma atleta excepcional, extremamente dedicada e de um imenso talento. Fico também muito grato pelo apoio do público que a elegeu.”

Anúncios