Atletas comemoram o ouro logo após o término do jogo

A Seleção Feminina de Handebol do Brasil está nas Olimpíadas de Londres. Neste domingo (23), a equipe comandada pelo técnico dinamarquês Morten Soubak derrotou a Argentina por 33 a 15 (15 a 5 no intervalo) e, além de garantir a vaga em Londres-2012, conquistou o tetracampeonato dos Jogos Pan-Americanos. O bronze ficou com a República Dominicana, que derrotou o México por 33 a 31 na prorrogação.

Na reedição da final dos Jogos de Santo Domingo, em 2003, a Argentina não viu a cor da bola. Desde o início, o Brasil foi superior, tanto na parte ofensiva, com destaque para a ponta-direita Alexandra e na defesa, onde brilhou a goleira Chana. Em vantagem no placar desde o início da partida, a Seleção só teve o trabalho de administrar o marcador – e as provocações e jogadas violentas das argentinas – para confirmar a vaga olímpica e o título.

“Conseguimos responder as provocações dentro de quadra, com gols”, disse Alexandra, artilheira da partida com oito gols. A camisa 3 também destacou o entrosamento da equipe como um dos fatores responsáveis pela vitória. “O Morten (Soubak, técnico) conseguiu encaixar o jogo entre as atletas que jogam no Brasil e as que jogam fora” afirmou ela. Da Seleção, só atuam no País a armadora Moniky e a ponta Jéssica.

Uma das mais experientes do grupo, a goleira Chana não conteve as lágrimas no pódio. Segundo a camisa 1, o ouro em Guadalajara foi uma retrospectiva da carreira: “Quando subi no pódio, voltaram todos os anos de seleção na cabeça, cada momento, dificuldade e superação”, disse a atleta de 32 anos.

Além do ponto mais alto do pódio, a equipe teve a artilheira da competição (a ponta-esquerda Fernanda, com 35 gols) e as goleiras com melhor aproveitamento defensivo. “É um grupo muito forte. Das 15 jogadoras, 11 jogam na Liga Europeia. Estão todas de parabéns”, disse o técnico Morten Soubak.

“É uma emoção muito grande. Cumprimos o objetivo, que era a vaga olímpica. É um resultado que vai ajudar muito no desenvolvimento do handebol brasileiro”, disse o presidente da Confederação Brasileira de Handebol, Manoel Luiz Oliveira.

O ouro em Gualajara é o quarto consecutivo das meninas do Brasil. Em 2007, no Rio de Janeiro, a vitória veio sobre Cuba. Em 2003, em Santo Domingo, a prata ficou com a Argentina e, em 1999, em Winnipeg, as canadenses, donas da casa, foram as derrotadas.

A campanha vitoriosa da Seleção Feminina em Guadalajara começou com uma goleada por 50 a 10 sobre os Estados Unidos. Depois, o País bateu Uruguai (43 a 15), República Dominicana (32 a 18), México (43 a 12) e, finalmente, a Argentina.

Trote – Uma cena inusitada fez parte da comemoração das meninas. O presidente da Confederação Brasileira de Handebol, Manoel Luiz Oliveira não escapou de ter a barba aparada pelas campeãs. De máquina em punho, as jogadoras foram se revezando para fazer a barba do dirigente, que prometera raspar no caso de as seleções masculina e feminina ganharem o ouro.

Atletas raspam barba do presidente da CBHb Manoel Luiz Oliveira

“Nunca tinha deixado barba, mas fiz um compromisso que, se o handebal caminhasse bem, ia deixar. E deixei. E prometi que tirararia tudo se conquistássemos os dois ouros. Não sei como, elas descobriram. Mas estou feliz demais, com ou sem barba”, explicou.

O “segredo” foi revelado às atletas pela esposa do presidente, Márcia Oliveira. E, amahã (24), na decisão do masculino, ele pode entrar na navalha novamente. “Deixamos o bigode para os meninos cortarem hoje”, brincou a pivô Dani Piedade.

Anúncios